Flame Bar

Flame Bar

 

Um pedaço de Nova Iorque em Curitiba. Fruto das viagens dos sócios Mario Ferrari e André Smanhotto, o Flame traz a tendência dos bares norte americanos para a capital paranaense. Localizado no começo da Avenida Manoel Ribas, entre os bairros São Francisco e Mercês, no novo ponto conhecido como “Ribas”, que abriga outros três bares com a mesma proposta – boa comida e bebida e preços justos.

O Flame fica há exatos cinco minutos do centro e se mostra como uma nova boa opção para os moradores dos bairros Mercês e Santa Felicidade ou para quem simplesmente quer sair um pouco da “zona comum”.

A comida é ótima, experimentamos o “Pulled Pork”, o carro chefe da casa, uma receita tradicional do sul dos Estados Unidos, um sanduíche de sobrepaleta de porco, marinada com especiarias e assada lentamente, Cole Slaw, uma deliciosa salada adocicada de repolho e molho barbecue. A carne suína desmancha e o sabor é irretocável.  O preço é honesto, custa R$ 16.

Também extremamente bom o Philly Cheesesteak, sanduíche clássico da Filadélfia, servido no pão de baguete, alcatra, especiarias e bastante queijo e também custa R$ 16.

Para agradar todos os gostos, há também a opção veggie por R$ 14.

Merecem destaque também as wings (asinhas de frango crocantes, servidas com as variações de molho: Barbecue, Hot Barbecue, Teriaki e Blue Cheese) por R$ 15 e a Spiral Fries, batata frita sequinha e crocante, cortada em espiral e servida no palito, que sai por R$ 8.

A casa serve chopp nas variações Pilsen – R$ 10, Blond Ale – R$ 12 e IPA 66 – R$ 15. Ainda, bons drinks são servidos a preços honestos. O Flame, que leva o nome da casa, é feito de campari e suco de laranja – R$ 12. o tradicional Cuba Livre tem duas variações: com Bacardi – R$ 13 e Rum Havana R$ 16, Jack’n Coke, com Jack Daniels e Coca-Cola sai por R$ 18  e o Gin Tônica, também por R$ 18.

Avenida Manoel Ribas, 348, Merces.

Funcionamento: Terça a sábado das 18h a 0h. Domingo das 16h as 22h

Matéria dos colunistas da Curitiba Honesta Lucas Medeiros e João Leopoldo Siqueira.